h1

23 de janeiro de 2010

Diz-me: escreve

– Papel, caneta

E derrepente o imutável é transformação.

Anúncios
h1

8 de dezembro de 2009

Mundo muda meu

Meu mundo muda

Muda mundo meu

Metamorfoseando…

h1

22 de novembro de 2009

Ei, coração, não tenha pressa, não tema, não se canse, não faça tantas perguntas. Apenas use a resposta que há dentro de você, ouça suas próprias batidas.

O Outono há de vir e junto com as folhas levará sua pressa, seus temores, seu cansaço, seus questionamentos; e por fim, bem-vinda nova estação.

h1

21 de novembro de 2009

Piscava os olhos, ao abri-los podia ver novos horizontes, eles se renovavam em cada piscar. As antíteses se fundiam: coragem e medo, sorriso e lágrima, passos de elefante e de formiguinha; cada qual com seu papel, nenhum menos importante.

Às vezes, durante dialogava comigo, me perguntava sobre os porquês da vida, os porquês que sempre demoramos pra encontrar as respostas ou nunca percebemos que encontramos, quando na verdade elas estão diante de nós. Depois, conforme a freqüência dos meus “piscar de olhos” foi aumentando, parece que comecei a juntar a cada dia as partes das minhas frases. Quando eu sentia que chegaria à resposta, encontrava uma palavra que não fazia sentido, apagava tudo, mas recomeçava. Algum tempo assim passei, constituindo frases.

Admito que mesmo com o gosto pelas letras elas já me sufocavam quando o objetivo eram respostas, foi aí que percebi que meus olhos andavam imóveis há muito tempo. Passei a andar pelas ruas observando o olhar dos que passavam por mim, fiquei surpresa ao perceber a dificuldade que os seres humanos sentiam em piscar, a maioria nunca piscara, acredite.

Decidi fazer a diferença, me determinei a voltar a piscar, e não somente: decidi fazer piscarem, mostrar a variedade de horizontes que a vida tem.

Engraçado, nesse dia parei de me perguntar, senti todas as respostas dentro de mim.

Um novo dia, um novo começo para quem acredita nele. Posso aspirar a paz, a paz que eu quero 365 dias por ano.

h1

8 de novembro de 2009

Um gosto amargo, medo, culpa, dúvida.

Fazer sentido pra quê?

h1

1 de novembro de 2009

Os segredos da vida, a sensação de que todas as coisas se encaixam me surpreendem de vez em quando, deixam aquela esperança infinita das que vem de dentro e transbordam num sorriso. A magia de algumas coisas fazem meus olhos permanecerem atentos, um tanto quanto encantados.

h1

26 de julho de 2009

Às vezes tenho a impressão de que as coisas simples tornaram-se as mais complexas e mais escassas, não as vejo mais; se vejo, vejo pouco.  Talvez essa seja uma boa explicação para o fato de as pessoas serem cada vez mais infelizes.

…prefiro acreditar que é só impressão.